Bancas Examinadoras: CESGRANRIO

Conhecer a empresa que organiza determinado concurso e estar familiarizado com seu estilo de avaliação é um dos pontos que facilita na hora de fazer a prova e pode garantir um desempenho melhor. Isso porque cada instituição organizadora tem seus padrões e suas especificidades. E claro que esse conhecimento pode evitar surpresas negativas e deixar o candidato mais preparado.

— www.ecaderno.com

logo_cesgranrio

TAG para Concurseiros com uma reportagem especial sobre as características da Fundação CESGRANRIO. Conheça mais uma Organizadora de Concursos Públicos.

Estilo de Prova

A diretora do curso Plenarius, Ivone Cunha, explica que a CESGRANRIO distribui, na medida do possível, as questões por todos os itens do edital e que as questões vêm organizadas por disciplina. Ela defende que o candidato deve estudar todo o conteúdo, já que não há itens que não tenham chances de serem cobrados.

Além disso, a prova exige bastante atenção, devido à presença de “pegadinhas”, que acabam levando o candidato ao erro e fará diferença na resolução da prova. O diretor da Academia do Concurso, Paulo Estrella, também defende que a prova exige bastante atenção, devido à complexidade dos enunciados. Mas, ao mesmo tempo, explica que eles não são extensos. Característica, aliás, que marca a prova, segundo o diretor.

A CESGRANRIO trabalha com provas relativamente curtas, dessa forma o tempo não costuma ser fator limitante para resolvê-la, mesmo com a redação” – Paulo Estrella.

Ele ainda explica que o que difere a organizadora de outras empresas é justamente o fato de não levar o candidato ao extremo durante a prova, possibilitando que ele tenha tempo de pensar em cada resposta.

As questões são, geralmente, de múltipla escolha com cinco alternativas. Ivone explica que a prova de atualidades, por exemplo, cobra elementos do cotidiano. É bastante comum a utilização de gráficos e imagens, o que exige do candidato uma capacidade de interpretação. Mais uma vez, vale ressaltar, a importância dos temas divulgados na imprensa nacional. As charges são reproduzidas, por isso, existe certa vantagem em o candidato já ter visto a matéria citada. Paulo Estrella acrescenta que:

a redação costuma apontar para conhecimentos gerais ou atualidades que tenha alguma ligação com o cargo ou a área de atuação do órgão ou entidade pública que esta contratando. A prova de português, na maioria das vezes valoriza a interpretações de textos.”

O diretor da Academia do Concurso afirma que a prova tem um grau médio de dificuldade, com a presença de algumas questões fáceis e difíceis, mas sendo a maioria de nível médio. Dessa forma, muitos candidatos são classificados, o que limita o número de nomeações é justamente a disponibilidade de vagas.

Para os concursos do Banco do Brasil e Caixa Econômica, destinados à formação de cadastro de reserva, mas com um número de convocados bastante alto, esse modelo de prova é o ideal”, defende Paulo.

Nessa prova, o candidato tem uma grande concorrência, mais do que dificuldade com a prova.

Passar é relativamente fácil, ficar em uma boa colocação para garantir a convocação e posse é que deve ser o foco do candidato”, afirma.

Assim, pequenos erros fazem a diferença.

A preparação

Na hora de estudar, fazer as provas anteriores é essencial para se ambientar com o estilo. Ivone sugere que o candidato faça as provas da Fundação Carlos Chagas, caso tenha dificuldade de acesso às da CESGRANRIO.

As bancas trabalham relativamente com o mesmo conceito de prova. O que muda um pouco são algumas questões doutrinárias, que são raras na Fundação Carlos Chagas”, defende Ivone.

Além disso, o concurseiro pode fazer as provas de outros concursos organizados pela CESGRANRIO, já que as questões de matérias básicas são parecidas com a de outros concursos, devido ao fato de que a instituição realiza muitos processos seletivos.

Ainda que o padrão possa ser modificado a cada concurso, essas mudanças são pouco prováveis e não devem estar presentes em todas as questões. Como explica Paulo:

mesmo que 20% da prova não siga o padrão atual da banca, a dificuldade será igual para qualquer um dos candidatos. Quem se garantir nos 80% que foram mantidos poderá arriscar mais nas questões que trazem novidades.”

Fontes:

  1. Alfa Concursos
  2. Ok Concursos

Andre H O Santos

Pentester, Especialista em Segurança de Redes e Testes de Invasão, Programador, Consultor e Professor de T.I.. Geek Inveterado, Apaixonado por Segurança da Informação e Louco por GNU/Linux. Dedica grande parte do seu tempo para criar soluções que ajudem dezenas de milhares de pessoas com dicas e artigos em Tecnologia e Segurança da Informação. Possui algumas Certificações em Ethical Hacking, Cabling System, Linux e Administração de Redes.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − onze =